Os deuses nos reinos

As divindades costumam ser bastante diversas e únicas, algumas vindas de outros mundos ou planos e outras tiveram uma vida mortal ate obterem a ascensão divina. Muitos deuses são conhecidos e venerados apenas nos seus reinos ou cultuados em pequenas localidades, outros têm grande reconhecimento por suas ações contra povos e deuses e existem aqueles que foram esquecidos ou permanecem desconhecidos para maioria dos seres. É certo que todos são entidades poderosas que mantém interesse bem como interação com os assuntos dos mortais, chegando a descer no mundo para agir na forma de avatares ou na forma divina. Tanta diversidade reflete também as formas de devoção, influencia e na intervenção praticada pelos deuses que podem exigir oferendas ou rituais para conceder auxílios ou apenas o cumprimento sincero de seus ensinamentos.

O mito da criação do Mundo
Certas lendas ecoam em muitas religiões sobre o fato do início do mundo. Assim, a história de Faerûn começa quando Lorde Ao cria o universo que depois deu origem ao mundo de Toril. Depois veio um período de vazio eterno, havia apenas um véu de névoas e sombras que existiam antes mesmo da luz e da escuridão. Posteriormente esta essência sombria formou belas deusas gêmeas, opostas mutuamente, uma de luz e a outra de escuridão. As duas gêmeas criaram corpos dos paraísos, dando vida a Chauntea, incorporação do mundo de Toril. Toril foi acesa pelo brilho fresco da deusa Selûne e escurecida pela deusa Shar, mas nenhum calor existia neste lugar.

A guerra entre a Luz e as Trevas
Chauntea, em meio a guerra entre as duas deusas, criou os seres da natureza e pedia pelo fim do conflito, entretanto as deusas gêmeas discordavam do que iam fazer. Deste conflito nasceram a doença, o assassinato, a morte e outras condições. Selûne criou meios de aquecer Chauntea. Shar ficou zangada e começou a tirar toda a luz do Universo. Desesperada e enfraquecida, Selûne extraiu a essência divina do corpo dela e o da irmã puxando uma parte da forma de Shar. Esta energia formou Mystryl, a deusa da magia. Composta de luz e escuridão mágica, mas favorecendo sua primeira mãe, Mystryl equilibra a batalha e estabelece uma trégua entre as duas irmãs. Shar, que permanecia poderosa, se recuperava na escuridão e planejava sua vingança. Selûne diminuiu sua luz, mas extraiu força aos seus filhos aliados, e trouxe deuses de outros planos. A batalha continuou neste dia.

O criador das raças
Enquanto os deuses batalhavam, muitas formas inteligentes surgiram em Toril. Os modernos chamam de as cinco maiores do criador das raças. A primeira destas foi a raça sauriana que construiu uma civilização em sua curta vida. Supremo dentre as raças do criador foram os dragões, bastante poderosos ao atacar cidades grandes de outras raças com impunidade. Eles dominavam o mundo da superfície, reclamando vastas áreas como território e batalhando por terras, companheiras, e status. Eles sofreram quando raças menores começaram a dominar a magia, embora permanecessem influenciando. Uma raça aquática de transmorfos, anfíbios desenvolvidos da civilização sauriana que rastejava sobre a terra, construiu belas cidades. Essas criaturas contribuíram para a queda dos saurianos, mas eles mesmos desapareceram diante do barbarismo dos sahuagins, sereias e tritões. Pouco se sabe sobre as raças silvestres que povoam as florestas e outras áreas da flora, exceto que vivem em harmonia com a natureza deixando poucos traços de sua existência. Acredita-se que estas populações se fragmentou após uma grande praga criada por algum poder draconiano ou demoníaco. A última raça do criador, que gastou um grande tempo no estado primitivo foram os seres humanos. Sempre engenhosos e adaptáveis, os humanos evoluem com uma velocidade incrível e são bastantes eficientes quanto as circunstâncias de sua ascensão.

A vinda de outras raças
Sabe-se que com a descoberta da magia pelos povos do criador começaram a ocorrer os experimentos de viagens pelos planos, onde contataram e visitaram outras raças. Através destas conexões, diversos povos encontraram os reinos e vieram construir seus reinos, estabelecer suas fronteiras, participar de guerras, forjar alianças e rivalidades.

Divindade Maior de Faerûn
Nome Portifólio(s)
Ao – Criação das divindades, manutenção do equilíbrio cósmico.
Panteão de Faerûm
Chauntea – Agricultura, plantas cultivadas pelo homem, fazendeiros, verão.
Cyric – Assassinato, mentira, decepção, ilusão
Kelemvor – Morte, os mortos.
Kossuth – Fogo elemental, purificação pelo fogo.
Lathander – Atletismo, nascimento, criatividade, amanhecer, renovação, perfeccionismo, primavera, vitalidade, juventude.
Mystra – Magia, feitiços, a Arte.
Oghma – Bardos, inspiração, invenção, conhecimento.
Shar – Cavernas, escuridão, masmorras, esquecimento, perda, noite, segredos e o Subterrâneo.
Silvanus – Natureza selvagem, druidas.
Sune – Beleza, amor, paixão.
Talos – Tempestades, destruição, rebelião, conflagração, terremotos, vórtices.
Tempus – Guerra, Batalhas, Guerreiros.
Tyr – Justiça.
Gond – Artífices, trabalhos manuais, construção, forjas.
Helm – Guardiões, protetores, mercenários, paladinos.
Ilmater – Resistência, sofrimento, martírio, perseverança.
Lolth – Assassinos, caos, escuridão, drows, o mal e aranhas.
Mielikki – Outono, dryads, criaturas da florestas, florestas, rangers.
Selune – Bem, licantropos neutros, lua, navegação, expedições, estrelas, errantes.
Tymora – Boa sorte, habilidade, vitória, aventureiros.
Lyachtu Xvim – Tirania e ódio
Umberlee – Oceanos, correntes, ondas, ventos marinhos.
Azuth – Feitiçeiros, magos, invocadores em geral, monges (da Mão Brlhante).
Eilistraee – Canção, beleza, dança, espada, caça, luar.
Torm – Dever, lealdade, obediência, paladinos.
Malar – Sede de sangue, licantropos malígnos, caçadores, feras e monstros perigosos, furtividade.
Mask – Sombras, roubo, ladrões.
Uthgar – As Tribos Bárbaras de Uthgardt e os bárbaros.

Outras Divindades e Semideuses
Akadi – Elemento Ar, movimento, velocidade, criaturas voadoras
Grumbar – Elemento Terra, solidez, imutabilidade, juramentos.
Istishia – Elemento Água, purificação.
Ubtao – Criação, selvas, Chult, os chultanos, dinossauros.
Beshaba – Perdas aleatórias, desgraças, azar, acidentes
Auril – Frio, Inverno
Deneir – Hieróglifos, imagens, literatura, escribas, cartografia.
Eldath – Lugares bucólicos, primavera, lagoas, paz, cachoeiras.
Lliira – Alegria, felicidade, dança, festivais, liberdade.
Loviatar – Dor, ferimento, agonia, tormendo,sofrimento, tortura.
Milil – Poesia, canção, eloqüência.
Talona – Doença, Envenenamento
Tiamat – Dragões malígnos, reptéis malígnos, cobiça, Chessenta.
Finder – Espora de Wyvern; Ciclo da vida, transformação da arte, sáurios.
Garagos – Guerra, habilidade no combate, destruição, saque.
Gargauth – Traição, crueldade, corrupção política, sede de poder.
Gwaeron Windstrom – Rastreamento, rangers do Norte.
Hoar – Vingança, retribuição, justiça poética.
Jergal – Fatalismo, funerais, guardião de tumbas.
Lurue – Animais falantes, criaturas inteligentes não humanóides.
Nobanion – Lealdade, leões e felinos, feras benígnas.
Cavaleiro Vermelho – Estratégia, planejamento, táticas.
Sauras – Advinhação, destino, verdade
Sharess – Hedonismo, sensualidade, festividades, gatos.
Shiallia – Clareira nas matas, fertilidade das florestsa, crescimento, a Floresta Alta, a Selva de Neverwinter.
Siamorphe – Nobres, direito de nobreza, aqueles que possuem riqueza e status hereditários.
Ulutiu – Geleiras, ambientes polares, vilas árticas.
Valkur – Marinheiros, navios, ventos favoráveis, combates navais.
Velsharoon – Necromancia, necromantes, liches malignos, mortos vivos.

Panteão Élfico
Divindade Maior
Corellon Larethian – Magia, música, artesanato, guerra, a raça élfica (especialmente os elfos dourados, ou do sol), poesia, bardos, guerreiros.
Divindades Intermediárias
Aerdrie Faenya – Ar, animais, caos, a raça élfica, o Bem, tempestade.
Deep Sashelas – Oceanos, elfos do mar, criação, conhecimento.
Labelas Enoreth – Tempo, longevidade, escolhas, história.
Rillifane Rallathil – Florestas, natureza, elfos selvagens, druidas.
Sehanine Moonbow – Misticismo, sonhos, morte, jornadas, transcedência, a lua, as estrelas, o firmamento, elfos da lua.
Solonor Thelandira – Arqueiros, caça, natureza selvagem.

Panteão Anão
Divindade Maior
Moradin – Anões, criação, ferreiros, proteção, trabalhos em metal e em pedra.
Divindades Intermediárias
Abbathor – Cobiça.
Clangeddin Barba de Prata – Batalha, guerra, valor, bravura, honra na batalha.
Dumathoin – Riquezas enterradas, minerais, gemas, mineração, exploração, anões do escudo, guardião dos mortos.
Sharindlar – Cura, piedade, amor romântico, fertilidade, dança, côrte, a lua.

Panteão Gnomo
Divindade Maior
Garl Ouro Brilhante – Proteção, humor, truques, lapidação de gemas, gnomos.
Divindades Intermediárias
Baervan Errante Selvagem – Viagem, natureza, gnomos da floresta.
Solonor Thelandira – Arqueiros, caça, natureza selvagem.

Panteão Halfling
Divindade Maior
Yondalla – Proteção, generosidade, halflings, crianças, segurança, liderança, sabedoria, criação, família, tradição.
Divindades Intermediárias
Arvoreen – Defesa, guerra, vigilância, guerreiros halflings, dever.
Cyrrollalee – Amizade, confiança, coração,hospitalidade, artesanato.

Panteão Orc
Gruumsh – Orcs, conquista, sobrevivência, força, território
Ilneval – Guerra, combate, números decisivos, estratégia.
Yurtrus – Morte, doença.

Divindades mortas
Mesmo os deuses podem ser mortos. A história dos reinos é repleta de feitos de conflitos onde deuses conseguem matar outros deuses, assim como alguns mortais na busca pode poder ou por razões mais nobres.

Divindades Mortas
Amaunator – Burocracia, contratos, lei, ordem, o Sol, governo.
Myrkul – Os mortos, devastação, decadência, corrupção, parasitas, velhice, exaustão, crepúsculo, outono.
Bane – Destruição, Mal, Ódio, Lei, Tirania
Bhaal – Assassinato, especialmente violento ou ritual de morte.
Ibrandul – Cavernas, catacumbas, o Subterrâneo, crânios.
Leira – Decepção, ilusão.
Moander – Morte pútrida, decadência, corrupção.

Os deuses nos reinos

Faerun Savage Frontiers Brenno Brenno